HPE OneSphere
Navigation
Topo

Decoração geek: cubo exibe pixel art personalizável via app

Capazes de reproduzir imagens em arquivos leves e engraçados, as GIFs animadas viraram símbolo de comunicação da nova era. Amplamente difundido por meio de plataformas mais recentes, como WhatsApp e Facebook, o formato nasceu no final dos anos 1980. No mesmo período, ganhava força a pixel art, considerada a forma digital mais básica para composição de imagens. Hoje sinônimo de nostalgia, ela remete sistemas computacionais menos avançados e jogos de videogame da geração 8 bits. Exemplos disso são os ícones criados para o Windows 3.11 e personagens como Pac-Man e Donkey Kong. Outro marco, aliás, apareceu já nos anos 2000, com a febre do jogo da serpente em telefones celulares.

Homenageado em filmes como Detona Ralph (2012) e Pixels (2015), o estilo também embasa sucessos modernos, como o jogo Minecraft. E, na era dos aplicativos para smartphone, obviamente, é possível criar sua própria pixel art na telinha do dispositivo móvel. Os apps estão conquistando inclusive – e talvez especialmente – muitos adultos, que têm dedicado tempo livre para colorir artes pixelizadas. Como uma mania geek ou técnica de relaxamento, a nova onda repete no mundo digital o fenômeno dos livros antiestresse.

 

Pixel art

PIXEL ART NA DECORAÇÃO

Já para quem deseja ir além do desenho, um gadget faz da pixel art uma possibilidade de decoração. Pareada a um aplicativo para celular, a Pixel Box é uma caixinha luminosa que reproduz padrões coloridos e pixelizados. Assim, é capaz de mostrar desenhos fixos e animações no estilo GIF, com até 12 quadros por segundo. Para exibir suas criações em pixel, a caixinha utiliza 121 LEDs que oferecem 256 cores: a reencarnação dos 8 bits. Multiuso, o gadget serve ainda como um despertador audiovisual, gravador de voz, rádio FM e alto-falante de 5 watts. Com uma carga de três horas e meia via USB, pode operar por até seis horas. Batizada como The Pixel Box, a caixinha é vendida pela Hammacher Schlemmer.

 

 

Leia também:

Decoração geek: games clássicos vão parar na geladeira

Fliperama em miniatura: um arcade que cabe na sua mão

Nostalgia pura: games clássicos voltam à cena nos smartphones

 

Fotos: Hammacher Schlemmer/Divulgação
Categorias Lifestyle